O Brasil teve 65.602 pessoas assassinadas em 2017. É o que revela o Atlas da Violência, feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e publicado nesta quarta-feira (5).

O número indica o registro de 1.707 mortes a mais que o divulgado pelo próprio fórum em seu anuário, que tem como base os dados das secretarias da Segurança.

Os dados do Atlas são do Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde. Trata-se do maior nível histórico de letalidade violenta intencional no país, que atingiu uma taxa de 31,6 mortes violentas para cada 100 mil habitantes.

“O que está acontecendo no Brasil é algo realmente estonteante e fora dos padrões mundiais. Poucos países se aproximam do Brasil em termos de taxa de homicídio”, afirmou Daniel Cerqueira, coordenador da pesquisa, em uma entrevista coletiva nesta quarta, no Rio de Janeiro.

O estudo explica o motivo de os dados da segurança pública e da saúde destoarem. “Segurança pública e Saúde contam com metodologias distintas para contabilização das mortes, pois seus sistemas de informação servem a propósitos distintos. Para o sistema de segurança pública e justiça criminal importa saber se houve ou não um crime e tipificá-lo de acordo com a categoria penal correta, ao passo que para a saúde importam as informações de cunho epidemiológico relacionadas ao perfil da vítima e em que contexto morreu”, diz o Atlas.

“Cada sistema estatístico refletirá, portanto, as preocupações pertinentes ao seu universo e nenhum deles é necessariamente superior a priori. Isso significa que os dados de ambas as fontes nunca serão iguais, mas precisam ser congruentes”, completa o documento.

O relatório mostra que ambas as fontes apresentam a mesma tendência e números bastante similares entre 2013 e 2017. “Mas se entre 2014 e 2016 a diferença entre os dois sistemas não ultrapassa 1,4%, em 2017 a diferença atinge 2,7%”, afirmam os pesquisadores.

“Como não existe padronização nacional em relação às estatísticas criminais, e os sistemas estaduais diferem muito entre si, a desconfiança é natural e a melhoria do registro deve ser perseguida continuamente”, dizem os pesquisadores no documento.

“A transparência e a qualidade dos dados são ferramentas fundamentais para a melhoria das condições da segurança pública brasileira.”

Em alguns estados, houve uma diferença gritante, caso de Amazonas e Bahia. No Amazonas, os registros policiais indicaram 403 vítimas a menos; na Bahia, foram 572 mortes a menos que as registradas pela saúde.

G1